sexta-feira, 18 de agosto de 2017

Concrecoisa À Frente


Giniel inventou uma máquina capaz de modificar a essência da pessoa.

Na Máquina da Transformação M/B-69, tudo aquilo que é provido de maldade vira bondade.

Em Trusgy, seu país, o presidente deu ordem para a população passar pela M/B-69.

Em menos de 10 anos, como um milagre, todos os trugysianos estavam em estado de paz e dominados pela de bondade e civilidade.

Sem maldade, as penitenciarias de Trusgy viraram parques e centros de educação.

A profissão policial foi extinta.

Todos que combatiam a criminalidade migraram para a área da educação.

Os seguranças viraram desportistas.

Só quem não passou pela M/B-69 foi o presidente Preyon, que se achava totalmente do bem.

E era!

Ele se mantou no último dia de governo, quando percebeu que a semente da maldade de querer ficar no poder estava contaminando o seu coração.

Preyon estava à frente de seu tempo e Trusgy nunca mais precisou de governante.  

sexta-feira, 11 de agosto de 2017

Concrecoisa Reticências


...
Assim começou a vida.

...
Assim termina a vida.

...
Assim começa o mistério.

...

Assim continua o mistério.

sexta-feira, 4 de agosto de 2017

Concrecoisa Simplificação


Chupala nasceu numa tribo da África no começo do século passado.

Para vencer as dificuldades de uma vida trincada pelas adversidades naturais e inventadas pelo homem, aprendeu rapidamente os segredos da simplificação.

O seu mestre, contava, era Zaiam, que viveu num período antes de Cristo.

Quando um problema ganhava musculatura, ficava mais cabeludo, Chupala mandava cortar as capilaridades.

E assim, sempre resolvendo os problemas e ensinando a resolvê-los, acabou virando celebridade.

Certa feita, antes de virar síntese da síntese da vida, em visita ao Brasil, afirmou que “a simplificação é o degrau mais elevado da conquista humana”.

Hoje, mais do que nunca, Chupala precisa ser estudado.

O problema é que, de tanto simplificar a vida, Chupala acabou virando utopia.

sexta-feira, 28 de julho de 2017

Concrecoisa Caifé


Antonzé acordou com o canto do galo.

No horizonte, o sol também acordava em uma cama de nuvens.

Todo dia era assim.

Porém, neste dia, um fato inusitado entrou para a história de sua vida.

Quando coava o café, uma voz misteriosa ecoou no quintal.

Ele sabia que naquele fim de mundo não morava ninguém.

O medo pediu licença.

Rezou em voz baixa.

Quando a última gota de café passou pelo coador e caiu na xícara de porcelana, uma energia misteriosa irradiou pela cozinha.

A vibração superior foi o sinal que tanto esperava para nunca mais deixar a fé cair no esquecimento.

sexta-feira, 21 de julho de 2017

Concrecoisa Aldravia VI


extasiar
com
o
simples
é
fortuna


Os anos correram...

A vida de Esmeralda era bolinha de gude descendo uma ladeira de paralelepípedo da Cidade da Bahia.

Sua carne sentiu o passar do tempo.

A gude vida estava cheia de marcas.

Resignada, entendia a naturalidade do agir do tempo.

Um dia, num programa de TV, Esmeralda disse que viver feliz é extasiar com o simples, um dos segredos da longevidade.

Desde então, o horizonte de quem praticou simplicidade ficou mais límpido.

sexta-feira, 14 de julho de 2017

Concrecoisa Aldravia V


criação...
criaturas
olham
a
cidade
crescer


O barro foi amassado.

Em seguida virou pedra.

Na forma de seres vivos.

Eles estão lá.

Atentos.

No alto das torres da Catedral de Notre-Dame de Paris.

Onde assistem a cidade crescer.

Cada vez mais.

No horizonte com fim.

sexta-feira, 7 de julho de 2017

Concrecoisa Aldravia IV


poeira
ajuntada
é
memória
de
alguém


No começo Ele era grão.

Depois Eles viraram grãos.

E os grãos foram transformados e retransformados.

Até ganhar a forma de poeira.

Com o vento, a poeira ganhou destino.

Aqui, ali e acolá.

Até um dia acumular no dorso do tempo.